Top 50 Pharma Companies 2017 - Pharm Exec's Top 50 Companies 2017


A mais recente lista anual Top 50 Pharma Companies 2017, os melhores players do setor Biofarmacêutico aparecem num quadro muito estável de performance em seus espaços habituais, mas a mudança e a ruptura nos modelos de negócios atuais poderão derrubar posicionamentos nos próximos anos.

Com exceção de alguns novos operadores, e alguns malabarismos nas posições na metade superior, a estabilidade continua a ser o nome do jogo para as empresas Biofarmacêuticas que compõem a lista dos 50 principais líderes de vendas globais da indústria este ano.



Com a exceção de alguns novos participantes de baixo nível, e alguns malabarismos nas posições da metade superior, a estabilidade continua sendo o nome do jogo para as empresas Biofarmacêuticas que compõem essa lista dos 50 principais líderes de vendas globais do setor. Claro, a calma relativa no medidor de rankings não significa que a estabilidade necessariamente gera rentabilidade para todos. Em meio as crescentes pressões sobre os preços, as principais perdas de patentes para alguns e uma desaceleração na atividade de fusões e aquisições desde meados de 2016, vários pilares dessa lista apresentaram apenas ganhos de receita modestos nos últimos números coletados, enquanto outros sofreram pequenas diminuições. Essa listagem anual, Pharm Exec's Top 50 Companies 2017 apresenta dados fornecidos pela empresa de Inteligência de Mercado Biopharma Evaluate Ltd. 

Nossa percepção é nítida quanto ao fato de que o enraizamento consistente dos mesmos nomes familiares, nos top 10 e 20, devem-se ao simples fato de como os negócios são feitos nesta indústria, principalmente as grandes farmacêuticas, seguindo um modelo que continua a priorizar a acumulação de produtos e inovações através do P&D interna, licenciamento ou aquisição.


A Pfizer, por exemplo, repetiu-se como líder das vendas de prescrição da indústria, mantendo seu controle nos dois últimos anos. Com empresas como a Shire, que foram estimuladas por sua fusão completa da Baxalta em junho de 2016, subiram do 30º lugar para 22º na lista de receitas deste ano. E no que diz respeito a P&D, o investimento da Shire aumentou 45,5% para US$ 1,29 bilhão

A Merck & Co., apesar de ocupar o 4º em vendas, é a número 1 em gastos com I&D, com um aumento de 47,6% em relação ao ano anterior. O vendedor emergente mais recente da empresa, o imunoterápico Keytruda, continua a ser estudado em vários tipos de tumor, linhas de terapia e combinações. Outros que não escalaram as filas de vendas, mas estão investindo solidamente em P&D, incluindo a Lilly (15º em vendas, 8º em gastos com P&D) e AstraZeneca (11º em vendas, 7º em gastos com P&D). 


No que diz respeito as futuras mudanças no posicionamento dessa lista de vendas no Top 50, citamos duas áreas que devem ser monitoradas.

A primeira é o preço: À medida em que os pagadores se tornem mais assertivos em áreas onde relutavam no passado, como Oncologia ou Doenças Órfãs.


Também precisa-se considerar a percepção dos pagadores quanto a serem surpreendentemente céticos sobre novas drogas tais como Spinraza e Exondys 51, e há um grande potencial para que expandam-se. 


A segunda questão envolve as áreas de doenças que se tornaram lotadas com novos agentes - distúrbios auto-imunes como Psoríase e Artrite Reumatóide - que poderiam dar aos pagadores um alavancagem maior a franquias como Humira e o Enbrel.


É claro que novas perspectivas sobre a legislação de preços nos EUA, a reforma tributária e a revogação e substituição do Ato de Assistência Econômica (ACAAffordable Care Act) tornem mais claros os caminhos do que ocorrerá em 2018. É improvável que ocorra uma grande onda de M&A.


Ofertas oportunistas aparecerão, mas é improvável que empresas com quantidades significativas de dinheiro no exterior estarão relutantes em arriscar o excesso de pagamento de impostos para executar grandes aquisições nos EUA. O preço e a revogação / substituição do ACA também representam riscos similares.

Diversos autores afirmam que um evento perturbador e significativo vem despontando no horizonte da Indústria Farmacêutica, provocado claro, pela nova legislação dos EUA sobre preços e novas definições de valor. Estes apontam que novas rotas no setor Biofarmacêutico no abastecimento tradicional na colaboração e inovação em licenciamento, M&A e R&D foram expandidas por novos modelos de engajamento com inovadores externos, com modelos abertos de inovação e empreendimentos corporativos. Estes novos caminhos gerenciam a diversidade e a complexidade dessas inovações, construindo uma comunicação mais matizada com o mundo externo.









Analise também:

Top 50 | 2017

Top 50 | 2017

Top 50 | 2016

Top 50 | 2016

Top 50 | 2015

Top 50 | 2015

Comente e compartilhe este artigo!

⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
• FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST

⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
• SFE®  • SFE Tech®  • SFE Terms®  • SFE Books®  • SFE Biography®
⬛◼◾▪ CONTATO ▪

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vitrine

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...